Black Friday Ubannet

22/12/2017 às 09h02m - Atualizado em 22/12/2017 às 11h40m

Polícia faz buscas na casa de namorado de universitária desaparecida

Peritos também estiveram no local e nenhuma evidência foi encontrada. Para polícia, jovem é tratado como testemunha

remis_carla_costa-_desaparecida

O namorado da universitária que desapareceu no último domingo (17) prestou depoimento ao delegado Helder Tavares, responsável pelas investigações. O pedreiro de 25 anos informou que a estudante de pedagogia Remís Carla Costa, de 24 anos, saiu a pé da casa dele, no Loteamento Nova Morada, no bairro da Várzea, na Zona Oeste do Recife. Após uma discussão, ela deixou o local e saiu sem dizer para onde iria. 

Leia também
Estudante de Pedagogia está desaparecida desde o último domingo

O namorado revelou que era bastante ciumento, mas que jamais cometeria algum crime. "Eles estavam juntos há dois anos e o motivo das brigas era ciúme. Ele disse que tinha ciúme de algumas pessoas que se aproximavam dela", comentou o delegado. O investigador informou que o pedreiro autorizou a entrada do Instituto de Criminalística (IC) e da Policia Civil na residência dele.

No local, foram feitas buscas na última quarta-feira (20), mas nenhuma evidência foi encontrada. O IC deve emitir um laudo. Para polícia, o jovem é tratado como testemunha, já que ele foi uma das últimas pessoas a ter contato com a estudante. Além do namorado, foram ouvidos os pais de Remís e uma amiga dela.

"Vamos realizar outras diligências para tentar encontrar a jovem. Caso haja alguma contradição no depoimento do jovem, vamos fazer uma nova ouvida", comentou o delegado, que também deve colher o depoimento de outros amigos de Remís. Até o momento, a universitária não foi localizada. O celular dela encontra-se desligado e ninguém tem informações sobre o paradeiro da estudante. Quem tiver informações sobre Remís deve entrar em contato com os familiares e amigos da jovem: 98828-5303 ou 98792-4764.

Depressão
Nas redes sociais, Remís comparilhava algumas postagens que, segundo amigos, tinha indícios de depressão. "Te compreendo e quero ajudar de uma forma que não fizeram comigo. Eu estou disposta a respeitar o seu tempo e suas decisões, mas, por favor, entra em contato comigo", comentou uma amiga.

Outros amigos informaram que ela não estava bem e que tinha dado indícios do que pretendia fazer. "Essa moça está com depressão. Isso está na cara. Nem precisa ser profissional para saber disso", comentou.

Informações da Folha PE

Comentários

Outras notícias