Black Friday Ubannet

21/12/2015 às 03h47m - Atualizado em 21/12/2015 às 03h52m

Timbaúba: Barragem do Tiúma só tem água para abastecer a cidade durante quatro meses, diz Compesa

Medidas emergenciais já estão sendo tomadas, além do racionamento, a antiga barragem no rio Capibaribe Mirim, construída nos anos 90, será reativada e usada para captação de água.

A barragem do Tiúma que fica no leito do rio com o mesmo nome, cuja nascente é no distrito de Pirauá, no município de Macaparana, tem a capacidade de armazenar 6 milhões de metros cúbicos de água e é responsável por 80% do abastecimento de Timbaúba. Neste momento ela está com o nível de água muito baixo, apenas 25% de sua capacidade total, assim medidas emergenciais já estão sendo tomadas. Com a diminuição do nível de acumulação do manancial, causado pela seca, fez com que atualmente a cidade esteja sendo abastecida com 40% a menos da vazão.

Timbaúba consome uma média de 300 mil metros cúbicos de água por mês, então com um milhão e meio de metros cúbicos de água acumulada é o suficiente para o abastecimento no máximo dos próximos quatro meses antes de chegar ao volume crítico. E para evitar que o manancial entre em colapso, a Compesa (Companhia Pernambucana de Saneamento), realizou algumas alterações no calendário de abastecimento da cidade. “Com o menor volume de água para ofertar a população, a previsão é que o rodízio fique mais rigoroso. Aproveitamos para sensibilizar a população para a utilização da água disponível de forma racional”, destacou o gerente de Negócios da Mata Norte, Denis Fernando Mendes.

A gerencia da Compesa expõe a situação e pede a todos compreensão e que economize água o máximo que puder e comunica medidas já estão sendo tomadas para melhorar o abastecimento, por exemplo, distribuição de caixas d’água nas comunidades que poderão ser abastecidas por carros-pipas.

Outra solução é a antiga barragem no rio Capibaribe Mirim, construída nos anos 90 (antes da construção do sistema de Tiúma) que será reativada e usada para captação de água. De acordo com o gerente de Negócios da Compesa, Denis Fernando Mendes, a antiga barragem deverá está em funcionamento em 30 dias, logo após a instalação da rede elétrica que foi destruída pelos vândalos, pois é necessário colocar bombas elétricas para conduzir o precioso líquido até a estação de tratamento.


Por Reginaldo Silva da equipe do Timbaúba Agora

Comentários

Outras notícias