18/12/2016 às 09h48m

MPPE deflagra quatro operações em quatro municípios para desmantelar esquemas de desvio de recursos públicos

A estimativa das investigações é de que, nos referidos municípios, os recurso públicos desviados chegam à quantia de R$ 25 milhões; cerca de R$ 6,5 milhões foram bloqueados judicialmente.

Cinquenta e cinco pessoas, entre prefeitos, secretários, vereadores, procuradores municipais, servidores, laranjas e empresários com contratos com a Administração Pública foram alvos de operações do Grupo de Atuação Espacial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), em 2016. Ao todo, foram realizadas quatro operações: Terra Arrasada II, em Ribeirão; Pulverização, em Belém de Maria; Itakatu, em Itamaracá; e Apito Final, em Palmares. Esse resultado envolveu, além das equipes da inteligência e do Gaeco, parcerias internas e externas efetivadas com os promotores de Justiça naturais, a Comissão e Defesa do Patrimônio Público do MPPE, o Poder Judiciário, as Polícias Civil e Militar, e o Tribunal de Contas do Estado, agregando o trabalho de cerca de 190 pessoas.

A estimativa das investigações é de que, nos referidos municípios, os recurso públicos desviados chegam à quantia de R$ 25 milhões; cerca de R$ 6,5 milhões foram bloqueados judicialmente. Esses números podem aumentar no decorrer do aprofundamento das análises. Cinco prefeitos foram afastados e o Tribunal de Justiça manteve os afastamentos em virtude das provas incontestáveis colhidas no decorrer das análises de quebras de sigilos telefônicos, de e-mails, bancários e fiscais. Os prefeitos afastados foram: João Bezerra, de Palmares; Tio Correia (Valdeci José da Silva) e Maria Amália Egito e Silva, de Belém de Maria; Romeu Jacobina, de Ribeirão; e Paulo Batista Andrade, de Itamaracá.

Todas essas operações não seriam deflagradas se não houvesse denúncias de cidadãos ou investigações conduzidas pelo MPPE e Polícias. As denúncias são essenciais para esses resultados. Tomar conta dos recursos públicos, exigir transparência, moralidade e efetividade dos gestores municipais é dever de todos nós, como cidadãos e principais afetados pela gestão municipal.

Denuncie. Caso, o cidadão não se sinta confortável ou seguro em se dirigir à Promotoria de Justiça de seu município, o Ministério Público de Pernambuco disponibiliza meios como a Ouvidoria e a Central de Denúncias, através da internet (Portal do MPPE/ Denúncias/ cadastrar manifestação ou clicando no Fale Conosco) ou o telefone 0800 281 9455 (de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h). Recentemente, a Ouvidoria do MPPE criou uma página no Facebook (Ouvidoria Ministério Público de Pernambuco), inclusive, com possibilidade de receber denúncias por inbox.

Comentários

Outras notícias