Black Friday Ubannet

19/11/2018 às 07h09m - Atualizado em 19/11/2018 às 09h23m

Bebê de 49 dias morre após ser esganada; suspeito do crime é o pai da criança

De acordo com o delegado João Carlos Oliveira, ao dar banho na filha, Josinaldo teria forçado o pescoço dela. Caso aconteceu em Belo Jardim, Agreste de Pernambuco.

bebe-aborto-feto_1

Informações: JC Oline - Imagem ilustrativa

Uma bebê de 49 dias faleceu neste domingo (18) após ser esganada na cidade de Belo Jardim, a 182 km de distância do Recife. O suspeito de ter esganado a criança é o pai dela, o autônomo Josinaldo Luiz da Silva Bernardo, segundo informações da Polícia Civil. Ao dar banho na criança, Josinaldo teria forçado o pescoço dela, de acordo com o delegado João Carlos Oliveira com dados retirados do depoimento que o acusado prestou a polícia.  "Ele afirmou que tinha raiva da bebê, ciúme, disse tomar remédio controlado e ter problema mental”, afirmou o delegado.

O ato de violência contra a bebê ocorreu no sábado no Sítio Jurema, na Zona Rural de Belo Jardim. No entanto, os pais só levaram a criança para o hospital regional de Belo Jardim, Júlio Alves de Lyra, na manhã deste domingo por volta das 10 horas. “A criança já chegou ao hospital em óbito, o que foi informado à Polícia Militar, que nos acionou”, disse o delegado.

João Carlos Oliveira também informou que, ao dar depoimento, a mãe da criança quis levá-la antes ao hospital, mas não o fez devido à ameaças do companheiro. “Pelos depoimentos, as agressões contra a filha e a companheira são corriqueiras. A mãe estava em estado de choque e com um ferimento na mão devido à outra briga do casal”, revelou João Carlos.
 
AUTUADO

O suspeito foi autuado em flagrante por crime de homicídio. O corpo da criança foi encaminhado ao IML e liberado no final da tarde de ontem. Nesta segunda-feira (18/11), o suspeito vai ser encaminhado para uma audiência de custódia, no Fórum de Pesqueira, no Sertão de Pernambuco. Lá, o juiz vai decidir se haverá a prisão preventiva ou se o acusado vai responder ao inquérito em liberdade. Caso seja condenado, a prisão pode variar de 12 a 30 anos pela legislação em vigor.

Comentários

Outras notícias