04/11/2014 às 08h30m

Fechada desde 2012, Usina Pumaty volta a funcionar esta semana

Prevista para acontecer entre terça e quarta desta semana, a moagem inicial diária da Usina Pumaty será de até 4,3 mil toneladas/dia.

A Usina Pumaty, localizada no município de JoaquimNabuco, na Zona da Mata Sul, volta a funcionar esta semana. A reabertura da unidade só será possível por conta da sentença judicial em favor da Cooperativa do Agronegócio de Cana- de-Açúcar (Agrocan), que solicitou há dois meses o seu arrendamento para evitar maiores prejuízos aos canavieiros e fornecedores, já que as usinas Pedrosa e Una interromperam o funcionamento dos seus respectivos parques industriais este ano e as alagoanas, Porto Alegre e Santa Maria, encontram-se em dificuldade financeira.

Estas unidades recebiam a cana pernambucana todos os anos. Atualmente, o Estado produz 13,5 milhões de toneladas de cana. Desse montante, a Mata Sul é responsável por 60% da produção, enquanto que a Mata Norte fica com 40%.

Em função dessa realidade, o excedente da produção na região chegou a ficar em torno de um milhão de tonelada de cana de fornecedores, que estão enormemente preocupados quanto ao destino de sua produção. Com a autorização judicial a partir do alvará, a Pumaty irá absorver entre 550 mil e 600 mil toneladas desse total – da safra 14/15 – para produzir álcool.

A expectativa é que em 2015/2016 a fábrica produza açúcar e absorva entre um milhão e 1,5 milhão de tonelada de cana, o que alivia o setor fornecedor do insumo. Prevista para acontecer entre terça e quarta desta semana, a moagem inicial diária da Usina Pumaty será de até 4,3 mil toneladas/dia. Já quando a fábrica de açúcar estiver funcionando, a capacidade aumentará para 8 mil toneladas/dia.

HISTÓRICO – Fechada desde 2012, a Pumaty se encontra em processo de recuperação judicial. Por dois anos, a administração da unidade será compartilhada pelos mais de 2 mil cooperados associados à Agrocan. Nesse tempo, 4% do faturamento da Usina será encaminhado à Justiça para pagamento dos credores e trabalhadores.

Comentários

Outras notícias