Black Friday Ubannet

21/10/2016 às 00h00m - Atualizado em 21/10/2016 às 09h42m

Em Nazaré da Mata, grupo programa ato contra aumento de salários do prefeito, vice-prefeito e vereadores

Proposta foi votada na última quarta-feira (13) e causou indignação entre os moradores do município

Um grupo de moradores de Nazaré da Mata organiza uma manifestação, na próxima terça-feira (25), com o objetivo de barrar a aprovação do Projeto de Lei que reajusta os salários do prefeito, vice-prefeito, vereadores, presidente da Câmara de Vereadores e secretários municipais. A proposta, votada na última quarta-feira (13), fixa em 25% o reajuste aplicado em cada uma das categorias e seguirá para a sanção do prefeito Nado Coutinho (PTB).

Pela nova legislação, aprovada por unanimidade em sessão extraordinária, a partir de janeiro de 2017, o chefe do Executivo receberá R$ 25 mil, ao invés de R$ 20 mil; o vice-prefeito, R$ 12,5 mil; o presidente da Câmara, R$ 15 mil; vereadores receberão R$ 7,5 mil; e o secretários municipais receberão R$ 6,5 mil.

O auxiliar de compras Luiz Felipe Bezerra de Paula faz parte do grupo que pretende ocupar a Câmara na terça-feira. Ele explicou que a população já vem sofrendo com a crise e disse que, há alguns anos, os vereadores votaram reajuste para taxa de iluminação. Na ocasião, a medida gerou indignação da população, que se manteve quieta. Mas, agora, a proposta não é coerente com a crise. Ele, inclusive, citou a PEC 241 do Governo Federal para respaldar seu argumento.

"A crise é só para a população? se o Executivo está querendo paralisar por 20 anos os gastos, por que não podem segurar o salário atual? A gente não quer esse aumento. Se está em crise, a crise é para todos", declarou.

A movimentação, que deve ser iniciada entre 16h30 e 17h - horário previsto para o início das sessões na Câmara -, está sendo convocada de forma pacífica, segundo Bezerra de Paula. A expectativa é que cerca de 50 pessoas participem do ato.

Nessa terça-feira (18), um grupo de dez pessoas manifestou-se contra a proposta durante sessão na Câmara.

Comentários

Outras notícias