Black Friday Ubannet

29/08/2018 às 17h06m - Atualizado em 29/08/2018 às 21h10m

Pernambuco tem menor índice de mortalidade infantil da história

Nos últimos dez anos, a taxa teve queda acumulada de 35,1%

bebeDo Portal OP9

Pernambuco comemora o menor índice de mortalidade infantil da história da saúde pública do estado. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, ano passado, o índice foi de 13,7 óbitos infantis a cada mil nascidos vivos. Nos últimos dez anos, essa taxa teve queda acumulada de 35,1%, passando de 20,1 em 2007 para o patamar atual de 13,7. Se colocarmos os percentuais em números absolutos, em 2007 foram registrados 3.229 óbitos infantis em um total de 145.130 bebês nascidos vivos. Por sua vez, em 2017, último ano em que os dados foram consolidados, foram 1.970 mortes com 143.919 nascidos vivos.

“Os dados mais recentes da taxa de mortalidade infantil apontam que as políticas públicas implantadas com o objetivo da melhoria da qualidade da assistência à saúde para a prevenção e redução da mortalidade infantil já mostram resultado. No ano passado, atingimos a marca de 13,7 óbitos infantis a cada mil nascidos vivos – a menor da nossa história”, declarou o secretário estadual de Saúde, Iran Costa.

De acordo com o Governo de Pernambuco, entre 2015 e 2016, foi registrado um aumento da taxa de mortalidade infantil, apesar de uma redução de 3,4% no número de óbitos infantis (foram 2.264 óbitos de menores de 1 ano em 2015, contra 2.188 em 2016). Este fato sofreu o efeito da redução de 8,4% no número de nascidos vivos de mães residentes no estado, já que a taxa é obtida a partir do número de óbitos de crianças menores de um ano de idade dividido pelo número de nascidos vivos multiplicado por 1.000.

Assim, a taxa de mortalidade aumenta se o número de nascidos vivos diminui. É importante ressaltar que, nesse período, foi registrada uma epidemia da Síndrome Congênita do Zika Vírus (SCZ) e o desconhecimento dos seus efeitos, acrescido dos fatores condicionantes para ocorrência dos óbitos infantis, pode justificar, em parte, o aumento da taxa em 2016.

 

Comentários

Outras notícias