Black Friday Ubannet

22/08/2018 às 09h06m - Atualizado em 02/09/2018 às 13h42m

Pernambuco: Mãe acredita que filho se enforcou após “desafio” na internet

Arthur, de nove anos, encontrado enforcado no quintal de casa em Recife. Delegada aguarda a conclusão da perícia, mas família diz que garoto já havia comentado sobre a boneca Momo.

boneca_momoInformações: Portal OP9

Tudo aconteceu em menos de dez minutos. Esse é o aspecto mais duro do relato da mãe do menino Arthur, de nove anos, encontrado enforcado, na última quinta-feira (16), no quintal de casa, no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Foi esse o intervalo de tempo entre o momento em que a família jantava, toda reunida, e o instante em que os pais do garoto acharam o filho pendurado em uma árvore por um fio. O garoto ainda chegou a ser socorrido, levado para uma Unidade de Pronto Atendimento próxima, mas não resistiu e faleceu no dia seguinte. Para a mãe, o enforcamento foi provocado por um novo desafio que tem tomado conta da internet, a Momo.

Jany Nascimento conta que ele tinha um comportamento muito alegre e disciplinado. “Era um menino muito tranquilo. Fazia natação, judô, badminton, tinha um canal [no Youtube], amigos, vivia na rua brincando, andando de bicicleta, dava aula de matemática para os meninos da rua. Era uma criança muito sociável. Eu nunca recebi nenhum chamado da escola por confusão e briga”, relembrou.

O único ponto ressaltado pela mãe foi o fato de ter tirado o celular do filho na véspera do acidente em função do tempo que ele estava gastando com distrações graças ao aparelho. “Ele só mostrava ansiedade, querendo o tempo todo o celular. Aí eu tive que guardar o celular num dia e no outro aconteceu isso”.

A relação do menino com aparelhos eletrônicos e as redes sociais vinha chamando a atenção da mãe, mas só depois de perder o filho ela começou a ligar os pontos entre o acidente, alguns comportamentos do garoto e o “desafio”, que ele mesmo tinha comentado com ela dias antes. “Ele me mostrou a boneca Momo uma vez. Perguntou se eu tinha medo. Só que eu não sabia o que era. Ela fazia um desafio de sufocamento para saber quanto tempo você aguenta ficar sem respirar. Eu não percebi. Só percebi depois que meu filho morreu. Fui ver no celular dele e tinha esses desafios”, comentou.

Apesar da mãe do garoto ter muita convicção de que o filho tenha sido vítima do desafio, a delegada responsável pelo caso, Thaís Galba, do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA), prefere esperar o desfecho da perícia, que está sendo realizada pelo Instituto de Criminalística (IC). “Dizer que o ato foi motivado porque ele viu esse jogo é muito precipitado e temerário. A própria mãe não viu o momento em que ele viu o jogo e nem o pai. Quando recebemos o aparelho, o jogo não estava facilmente acessível. Nesse exato momento, não consigo dizer o que levou essa criança a cometer esse ato”, explicou.

A boneca Momo

Assim como o “desafio da baleia azul”, que vem vitimando inúmeras crianças no Brasil e no mundo, a boneca Momo é mais uma corrente de terror que circula pelo WhatsApp e outras redes sociais. A imagem associada a esse personagem é, na verdade, uma escultura que está situada numa galeria em Tóquio. Sua aparência macabra tem sido usada por pessoas do mundo inteiro para assustar crianças e adolescentes, além de arrancar informações pessoais e, em última instância, propor desafios que podem lhes custar a vida.

Comentários

Outras notícias