Black Friday Ubannet

22/08/2016 às 09h12m

Campus Party termina com saldo positivo

Quinta edição do evento no Recife funcionou como maratona de educação digital.

A quinta edição da Campus Party no Grande Recife chegou ao fim neste domingo (21), depois de 24 horas de atividade, no Classic Hall, em Olinda. Apesar de ter tido sua programação reduzida em relação as dos anos anteriores, que contavam com quatro dias de festival, o evento fechou com saldo positivo na avaliação dos organizadores.

“A nossa ideia é que a Campus Weekend seja um formato para levar para lugares menores, mas Recife acabou sendo a pioneira nesse modelo por conta da crise mesmo. Funcionou como um teste para depois a gente mostrar para as outras cidades que deu certo aqui”, comenta Tonico Novaes, que é diretor geral da Campus Party Brasil.

Desde 2012, o evento acontecia somente no Recife e em São Paulo, mas a partir deste ano será realizada também em Brasília e Belo Horizonte. “São cidades que estão demandando isso e para a gente é sensacional levar o evento para mais perto dos campuseiros”, observa Tonico, ao defender que a Campus Party deixa um legado importante para a sociedade por onde passa.

Na capital pernambucana, o evento deixa como herança desde o conhecimento de educação digital até o estímulo ao estudo de ciências por crianças da rede pública, já que as Olimpíadas Brasileiras de Robótica (OBR) foram incorporadas à programação. “Nunca tinha vindo à campus party e participar agora dentro da OBR foi muito bom. Já penso em fazer algo como engenharia mecânica, mas ainda tenho muito tempo para escolher”, disse a estudante Maria Eduarda Oliveira, de 13 anos, que concorreu na final com a equipe da Escola Rodolfo Aureliano.

Universitários também competiram pelo melhor projeto desenvolvido na faculdade. Foi o caso de Luana Lira, que cursa Engenharia de Materiais na unidade acadêmica do Cabo de Santo Agostinho da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Orientada pelo professor José Fernando Dagnone, a estudante e equipe desenvolveram uma cadeira de rodas feita com material de descarte.

“Aproveitamos para conhecer melhor essa área de start up, que até então era uma novidade para todo mundo do grupo. Foi muito legal e dinâmico descobrir esse de conhecimento da área de trabalho”, falou ela, sobre a experiência no evento. Timbaúba Agora com informações da Folha de Pernambuco.

Comentários

Outras notícias