Black Friday Ubannet

27/06/2019 às 14h21m - Atualizado em 28/06/2019 às 04h53m

Assessor do ministro do Turismo é preso suspeito de fraude eleitoral

O assessor do ministro estaria ligado às candidaturas laranjas do PSL em 2018. A PF e Ministério Público Eleitoral investigam o uso de candidatas para desvio de recursos do fundo eleitoral.

policia-federal

Um assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi preso na manhã desta quinta-feira (27) na investigação da Polícia Federal sobre supostas candidaturas de laranjas do PSL em Minas Gerais. Mateus Von Rondon foi detido em Brasília. Além dele, foi preso em Ipatinga um dos coordenadores da campanha de Álvaro Antônio à Câmara dos Deputados em 2018, Roberto Silva Soares, conhecido como Robertinho.

Desde fevereiro, a PF e o Ministério Público Eleitoral investigam o uso de candidatas para desvio de recursos do fundo eleitoral. Promotores veem indícios de fraude em caso de mulheres que receberam volume considerável de dinheiro, mas tiveram poucos votos. A suspeita é que elas não fizeram campanha e combinaram a devolução de recursos ao partido.

A empresa do assessor Mateus Von Rondon aparece na prestação de contas de quatro candidatas a deputada estadual e federal suspeitas de terem sido usadas como laranjas pelo PSL de Minas.

Ao todo, Lilian Bernardino, Naftali Tamar, Débora Gomes e Camila Fernandes declararam ter pago quantia de R$ 32 mil à empresa de Von Rondon. De acordo com a PF, ao que tudo indica, a empresa foi criada só para esta finalidade, pois foi fechada logo após o fim das eleições.

Policiais chegaram por volta de 5h40 na residência do assessor, em Brasília. Ele foi encaminhado para a superintendência da Polícia Federal em Brasília por volta das 7h40.

De acordo com as investigações da PF, Roberto Silva Soares é suspeito de negociar devoluções de quantias pelas candidatas suspeitas. Ele é o atual primeiro-secretário do diretório do PSL em Minas.

Além disso, o irmão dele, Reginaldo Donizete Soares, é sócio de duas empresas (I9 Minas e a Imagem Comunicação) que figuram como prestadoras de serviços eleitorais (pesquisas e publicidade) às candidatas investigadas. De acordo com a PF, a I9 Minas não funcionava havia menos dois anos, mas de acordo com informações disponibilizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as duas empresas teriam recebido R$ 44,9 mil de duas candidatas.

Procurado pelo G1, o Ministério do Turismo afirmou que irá se pronunciar. A reportagem tenta contato com os demais citados.

A PF deflagrou a operação em Aimorés e Ipatinga, na Região do Vale do Rio Doce, e em Brasília. Chamada de Sufrágio Ostentação, a ação cumpre mandados de prisão temporária e de busca e apreensão.

Os suspeitos são investigados pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, emprego ilícito do fundo eleitoral e associação criminosa.

Como surgiram as investigações

O caso veio à tona com uma reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, em fevereiro, que dizia que o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, direcionou R$ 279 mil a quatro candidatas suspeitas de serem laranjas. Durante as eleições de 2018, ele era o presidente do PSL em Minas.

Uma dessas candidatas, Adriana Maria Moreira Borges, disse ao MP que recebeu uma proposta de Roberto Silva Soares – que foi preso nesta quinta. Segundo ela, Soares afirmou que o partido repassaria a ela R$ 100 mil. Adriana poderia ficar com R$ 10 mil e, em troca, entregaria nove cheques em branco para que fossem usados para pagar despesas de outros candidatos. Adriana disse, no mesmo depoimento, que não aceitou as condições e que acabou recebendo do partido R$ 4 mil.

Na época, Roberto Soares negou as acusações. “Posso te afirmar com 100% de certeza que essa senhora está mentindo. Lamentavelmente existe uma campanha de difamação na tentativa de atingir o Ministro Marcelo Álvaro Antonio e o presidente Bolsonaro com denúncias sem fundamento”, disse ele.

Outra reportagem da “Folha”, no mesmo mês, dizia que uma candidata a deputada federal do PSL em Pernambuco recebeu R$ 400 mil do partido e obteve apenas 274 votos.

O PSL é o partido do presidente Jair Bolsonaro, e o presidente da sigla nas últimas eleições, Gustavo Bebianno, chegou a ser nomeado seu ministro-chefe da Casa Civil. Desgastado pelo caso e envolvido em outras polêmicas com a família Bolsonaro, Bebianno deixou o cargo em 18 de fevereiro.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio disse ao G1, em abril, que o partido seguiu rigorosamente o que determina a legislação eleitoral. Afirmou que estava à disposição da Polícia Federal para prestar todas as informações necessárias e que se ofereceu espontaneamente para prestar depoimento às autoridades.


G1

Comentários

Outras notícias