12/06/2017 às 11h08m

Pernambuco: Ex-prefeito de Carpina, suspeito de envolvimento em corrupção ainda está foragido, diz delegado

Segundo o delegado Nehemias Falcão, um dos responsáveis pela 'Operação Fraus', o ex-prefeito Carlos do Moinho, ainda não tinha sido encontrado até a tarde deste domingo (11).

Polícia Civil de Pernambuco informou que, até a tarde deste domingo (11), ainda estava foragido o ex-prefeito de Carpina, na Mata Norte de Pernambuco, suspeito de corrupção. Carlos do Moinho é um dos investigados da ‘Operação Fraus’, deflagrada na sexta-feira (9), para prender envolvidos em um esquema de fraude na administração cidade. De acordo com o delegado Nehemias Falcão, agentes realizam buscas para encontrar o ex-gestor, que teve a prisão decretada pela Justiça.

Durante a ‘Operação ‘Fraus’, o vereador de Carpina Tota Barreto, que é ex-prefeito de Lagoa do Carro, na mesma região, e mais três pessoas foram detidas. Barreto tinha sido alvo de outras ações policiais, como a 'Operação Caça Fantasmas', do ano passado.

A Vara Criminal de Carpina expediu também 14 mandados de busca e apreensão e seis mandados de condução coercitiva, quando a pessoa é levada para prestar depoimento. O delegado Nenhemias Falcão informou, na sexta-feira, que a fraude na Prefeitura de Carpina chega a R$ 4 milhões. O esquema, segundo ele, envolvia contratos de locação de veículos para o Executivo municipal.

Falcão disse, ainda, que foram investigados contratos fraudulentos. Caminhões, tratores e automóveis eram locados com a utilização de documentos forjados. Entretanto, nenhum veículo chegou a ser disponibilizado para a prefeitura. A locação era feita a uma empresa de fachada. Os recursos terminavam sendo desviados para os investigados.

De acordo com o delegado Diego Souza, da delegacia de Carpina, as investigações do caso tiveram início quando a Procuradoria de Justiça do município informou à polícia sobre a falsificação de documentos cometida por uma empresa ganhadora de uma licitação da prefeitura.

No decorrer das investigações, ficou comprovado que os documentos foram falsificados e que a empresa emitia notas fiscais falsas.

Latim

A ‘Operação Fraus’ teve como objetivo investigar fraude em licitação, falsidade ideológica, peculato, corrupção e associações criminosa. Ela é a 20ª ação de repressão qualificada deflagrada este ano pela Polícia Civil. O nome vem do latim e significa fraude.

Participaram da operação 102 Policiais Civis, entre delegados, agentes e escrivães. As ações ocorreram no Recife, Carpina, Lagoa do Carro, Lagoa de Itaenga. Todos os presos e materiais apreendidos foram levados para Delegacia de Limoeiro, no Agreste.

Defesa

Antônio Neto, advogado de Barreto, afirmou que aguarda mais esclarecimentos para se manifestar sobre o assunto. Defensor de Carlos do Moinho, o advogado Ademar Rigueira esclareceu que ainda está tomando conhecimento dos fatos para entender o que fundamentou o pedido de prisão temporária do político.

"Estranhamos ter chegado a essa medida [prisão] porque já existe um inquérito em andamento e ele já tinha se antecipado, se apresentado espontaneamente para prestar depoimento e apresentar documentos", explicou Rigueira, por telefone.

Contas

A conselheira do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE) Teresa Duere determinou o imediato envio de documentos e provas aos delegados especializados e aos membros do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Essa documentação foi obtida por meio de fiscalização em órgãos públicos de Carpina e região, realizada pela equipe de auditores da Inspetoria Regional Metropolitana Norte, com a colaboração de outros setores do tribunal.

 As informações são do G1 PE

 

 

Comentários

Outras notícias