Black Friday Ubannet

04/05/2017 às 13h32m

Pernambuco: Sertanejos são internados em hospital do Recife com doença inédita no Estado

Um pai e dois filhos de Serra Talhada foram transferidos com coccidiomicose para o Hospital das Clínicas, nesta quarta-feira (3)

hospital_das_clinicas_da_universidade_federal_de_pernambuco

Três agricultores de Serra Talhada, no Sertão de Pernambuco, foram encaminhados ao Hospital das Clínicas (HC), na Zona Oeste do Recife, para serem tratados de uma doença infecciosa até então nunca registrada no Estado. Um pai e seus dois filhos foram internados nesta quarta-feira (3) com coccidiomicose, doença fúngica que pode ser facilmente confundida com pneumonia comunitária ou tuberculose pulmonar e que pode ainda atacar tecidos moles, articulações, ossos e meninges.

A doença é causada pelo fungo Coccidioides immitis e é relatada no sul e no oeste dos Estados Unidos (Califórnia, Texas, Utah, Novo México, Arizona e Nevada) e no México. Na década de 1990, foram diagnosticados os primeiros casos no Brasil, sobretudo no Ceará e no Piauí, vizinhos de Pernambuco.

A forma mais comum de contágio é pela inalação do fungo em suspensão no solo seco. Os pacientes internados são agricultores e lidam com o manejo da terra, além de praticarem a caça de tatus. Geralmente, a doença é leve e limitada, exceto em pessoas com comprometimento da imunidade.

O estado de saúde dos pacientes é estável. Eles estão realizando o tratamento com antifúngicos e devem ser acompanhados durante os próximos meses no ambulatório de infectologia do hospital da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

No HC, a doença foi detectada por meio de exame laboratorial do escarro realizado pelo Departamento de Micologia da UFPE. De acordo com o chefe do Serviço de Doenças Infecto-Parasitárias (DIP) do HC e professor da UFPE, Paulo Sérgio Ramos, os médicos agora ficarão mais atentos a pacientes que vêm da área rural. “A coccidioidomicose é uma doença emergente no nosso estado e devemos ficar atentos e vigilantes quando nos deparamos com pacientes que venham de área rural com quadro clínico semelhantes”, explicou.

Com informações do Portal Folha PE

Comentários

Outras notícias