Black Friday Ubannet

02/05/2014 às 11h20m

Corpo de cabo reformado da PM pega fogo dentro de necrotério

Idoso estava internado há dois meses para tratar de um câncer de pulmão

A investigação da morte de um cabo reformado da Polícia Militar é marcada por episódios inusitados. Na tarde da última quarta-feira (30), por volta das 15h, José Camilo Rodrigues, de 75 anos, morreu no Hospital da Polícia Militar, no bairro do Derby, na área Central do Recife. O idoso estava internado há dois meses na unidade de saúde para tratar de um câncer de pulmão. Segundo a família, ele morreu de falência múltipla dos órgãos. Pouco tempo após a morte, os familiares saíram para comprar o caixão e, quando voltaram, descobriram que o corpo do homem havia pegado fogo dentro do necrotério do hospital. Ainda de acordo com os familiares, ninguém deu nenhuma explicação plausível sobre o suposto incêndio.

A família de Camilo é de Vitória de Santo Antão, no Agreste. Ainda na última quarta, os dois netos de Camilo viram o corpo queimado no necrotério do hospital. Depois disso, peritos do Instituto de Criminalística (IC) chegaram no local para examinar o corpo e o local foi isolado. Na manhã desta quinta-feira (1º), as duas filhas foram reconhecer o corpo do pai no Instituto Médico Legal (IML), no Recife. Mais uma vez, a manhã foi marcada por confusão. Segundo a filha Josenaide Mônica Rodrigues, funcionários do IML mostraram o corpo de outro homem. Segundo ela, o homem que mostraram era branco, magro e não estava queimado, já o pai dela era negro, forte e estava com queimaduras em várias partes do corpo. A mulher saiu transtornada. Depois da confusão em frente do IML, a outra filha, Márcia Valéria Rodrigues, entrou pra reconhecer o corpo. Desta vez, não houve problemas e ela reconheceu o corpo do pai.

De acordo com o perito do Instituto de Criminalística (IC), Heldo Souza, é mais provável que alguém tenha ateado fogo no corpo, o que se configuraria crime de violação de cadáver. No entanto, o especialista disse que também poderia ter ocorrido uma combustão espontânea, mas essa segunda hipótese é um evento raríssimo. “Tenho 35 anos de polícia e nunca vi um fato desse tipo. Acredito que alguém provocou o incêndio, mas isso só poderá ser comprovado tecnicamente com os laudos periciais, nos próximos 30 dias”, explicou.

Por meio de nota enviada pela assessoria de comunicação, a Polícia Militar (PM) informou que José Camilo há cerca de uma semana deu entrada na emergência com quadro de infecção respiratória e foi imediatamente conduzido à Unidade de Terapia Intensiva, apresentando diagnóstico de câncer no pulmão. A PM disse ainda que a partir de hoje vai instaurar Inquérito Policial Militar, para também investigar as causas do incidente. Para confeccionar o laudo, foram recolhidas amostras do lençol que enrolava o corpo do paciente e da própria pele. A intenção é verificar se há liquido inflamável.

As informações são Folha PE

Comentários

Outras notícias