GB Bateiras

07/04/2017 às 09h33m - Atualizado em 07/04/2017 às 09h56m

Juíza determina prisão preventiva do acusado de matar fisioterapeuta

Protesto durante audiência de custódia de Edvan Luiz pediu justiça para fisioterapeuta morta. Familiares, amigos e sociedade civil participaram do ato

sepultamento_da_fisioterapeuta_

Após audiência de custódia realizada na tarde desta quinta-feira (6), a juíza Blanche Maymone Pontes Matos decidiu pela prisão preventiva de Edvan Luiz da Silva, de 29 anos. Ele foi autuado em flagrante pelo homicídio triplamente qualificado. O assassino da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, de 28 anos, vai ser encaminhado para o Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima.

O comerciante deixou o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) no início da tarde e foi levado para o Fórum Joana Bezerra, onde passou pela audiência de custódia.

Questionado pela imprensa, na saída do DHPP, Edvan Luiz foi sucinto. “Nada a declarar”, disse o homem. Ao delegado, ele disse que estava em uma festa e não sabe de nada sobre o assassinato da fisioterapeuta.

Na audiência de custódia, o preso em flagrante é levado para um juiz que avalia a necessidade de o suspeito permanecer ou não preso para aguardar o julgamento. Na audiência, são ouvidos o promotor de justiça e o advogado de defesa. O comerciante também foi entrevistado pela juíza.

As informações são da Rádio Jornal

Comentários

Outras notícias