Black Friday Ubannet

02/04/2019 às 08h41m

Menino de três anos morre eletrocutado em Recife

Kaio Gabriel estava descalço e com os pés na água quando sofreu a descarga elétrica. Caso aconteceu no bairro da Bomba do Hemetério, na Zona Norte do Recife.

morreu_eletrocutado_-_copia

Um menino de apenas três anos morreu eletrocutado enquanto brincava no quintal de casa, na manhã desse domingo (31), no bairro da Bomba do Hemetério, na Zona Norte do Recife. O pequeno Kaio Gabriel estava com a avó, por volta das 11h, quando, rapidamente, ela entrou em casa. Ao voltar, já encontrou o garoto caído no chão. A família ainda não sabe precisar como ele sofreu a descarga elétrica, mas um fio desencapado ficava muito próximo à telha de zinco que encosta no portão e pode ter causado o choque. A criança brincava descalça, e a área estava alagada por conta das fortes chuvas que atingiram a cidade no fim de semana.

A mãe de Kaio, uma jovem de 19 anos, dormia com o padrasto e a irmã dele quando tudo aconteceu. Ao encontrar o neto, a avó, Maria da Conceição Moreno, chamada por ele carinhosamente de Mainha, tentou pedir ajuda para uma vizinha, que estava com o filho de dois meses nos braços e também levou choque por estar descalça. Os dois foram socorridos para o Hospital da Restauração, no bairro do Derby. Kaio Gabriel ainda chegou a ser socorrido para o Hospital de Pediatria Helena Moura, no bairro da Tamarineira, mas já chegou na unidade de saúde sem vida. O enterro aconteceu na tarde desta segunda-feira (1º), no Cemitério de Santo Amaro.

Maria da Conceição tinha aberto a porta para limpar o quintal e conta que ainda pediu para que o menino calçasse uma sandália, mas ele a desobedeceu. “Agora, vai ficar o silêncio na casa. Vivemos muitas coisas boas aqui, mas não quero mais viver com essa lembrança de tragédia”, desabafou. A família se mudou para a casa da bisavó da criança. Na Rua Elza, onde eles moravam, a comoção foi generalizada. Na escolinha em que Kaio começou a estudar em março, foi colocada uma faixa de luto e as aulas foram suspensas.

Comentários

Outras notícias