Black Friday Ubannet

24/03/2018 às 11h57m - Atualizado em 24/03/2018 às 22h11m

Timbaúba: Fundo Nacional de Saúde já repassou quase 23 milhões de reais para a saúde do município na gestão do prefeito Ulisses Felinto

Mesmo com tanto dinheiro, os mais pobres sofrem com a falta de médicos e medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde. E gestantes denunciam a maternidade sem atendimento desde o início do ano.

20151012084634

Desde a posse do atual prefeito de Timbaúba até a presente data, a União (Governo Federal através do Ministério da saúde) repassou um total de recursos federais ao município que ultrapassam facilmente o valor de R$ 22 milhões e meio de reais em menos de um ano e três meses. Isso dá uma média de 1.770.000,00 (um milhão, setecentos e setenta mil) de reais por mês.

LEIA TAMBÉM: 

A população de Timbaúba tem enfrentado uma série de dificuldades em vários setores, mas sem dúvidas a Saúde Pública é de fato um dos maiores problemas para os timbaubenses carentes. No entendimento da maioria dos moradores do município de Timbaúba, a saúde pública anda meio doente. Sobretudo nas questões dos remédios distribuídos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Pacientes denunciam ao site Timbaúba Agora que encontram muitas dificuldades para retirar medicamentos gratuitamente.

Marcar uma consulta é uma verdadeira maratona

Uma dona de casa que preferiu não revelar o nome, procurou o Timbaúba Agora e comentou que há pelo menos quatro meses tenta marcar uma consulta, mas sem sucesso. Quando vai a UBS do seu bairro a resposta da atendente é sempre a mesma, “não há previsão para marcar consulta, pois não tem médico”. A população indignada, com razão, pergunta o que está acontecendo e o por que deste descaso com a saúde? Segundo a Confederação Nacional de Municípios (CNM), os repasses a nível federal e estadual estão sempre vindos com volumosos acréscimos em relação a anos anteriores. Fica a pergunta, em que e onde estes recursos estão sendo aplicados?

Sobre a maternidade

No início de janeiro uma nota divulgada pela Prefeitura de Timbaúba sobre o encerramento do convênio com o Hospital Ferreira Lima, deixou toda a população timbaubense surpresa e revoltada.

De acordo com a nota, o Hospital Memorial Doutor João Ferreira Lima não iria prestar mais serviços de Maternidade Pública ao municipio a partir do dia 2 de janeiro de 2018. Dizia também que, a prefeitura iria realizar um novo planejamento das atividades e ações de saúde para este ano. E ficou garantido a população de Timbaúba que ainda em janeiro aconteceria uma discussão técnica e aprofundada referente ao convênio da maternidade que seria discutida em reunião da Comissão de Monitoramento do Contrato da Maternidade. Mais uma vez a gestão não cumpre com o prometido ao povo, pois a maternidade continua sem atender a população do município.

CONFIRA: Prefeitura de Timbaúba diz em nota que encerrou o convênio de Maternidade Pública com Hospital Ferreira Lima 

Interessante é que durante a campanha em 2016, o atual prefeito de Timbaúba, Ulisses Felinto Filho, fez duras críticas a gestão passada em relação ao, segundo ele, funcionamento precário da maternidade do município, agora nem precariamente funciona. Sabia-se do alto custo, mas para ele e seu grupo político, o mais importante era vencer as eleições a qualquer preço. A população tem que se unir e cobrar da gestão uma solução para o fato, pois recursos finaceiros existem, falta é vontade e compromisso com o cidadão de Timbaúba.

Só para que tenhamos uma ideia do total de recursos federais, somente no setor de Alta-Complexidade foram destinados pelo governo federal através da FNS-Fundo Nacional de Saúde, o valor de R$ 10.688.948,45 (dez milhões, seissentos e oitenta e oito mil, novecentos e quarenta e oito reais e quarenta e cinco centavos) e R$ 331.715.95 (trezentos e trinta e um mil, setessentos e quinze reais e noventa e cinco centavos ), para a compra de medicamentos para serem distribuídos entre os mais carentes. Justamente os setores que mais sofrem com o descaso e a falta de responsabilidade da atual gestão.

Repasses do Fundo Nacional de Saúde

  • 2017: R$ 16.835.459,78
  • 2018: R$ 5.660.165,51

Total: R$ 22.495.625,29

Total de Repasses por Grupo em 2017

  • Assistência Farmacêutica: R$ 281.392,72
  • Atenção Básica: R$ 7.193.367,64
  • Gestão do SUS: R$ 13.000,00
  • Investimento: R$ 66.000,00 
  • Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar R$: 8.652.489,62
  • Vigilância em Saúde: R$ 629.209,80

Total Geral: R$ 16.835.459,78

Total de Repasses por Grupo em 2018

  • Assistência Farmacêutica: R$ 50.323,23 
  • Atenção Básica: R$ 1.807.563,99        
  • Atenção Básica: R$ 769.660,00
  • Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar: R$ 2.036.458,83        
  • Atenção Especializada: R$ 949.860,00
  • Vigilância em Saúde: R$ 140.076,16

Total Geral: R$ 5.660.165,51

Na época que era vereador, o atual prefeito fez duras criticas a saúde de Timbaúba

Há mais de dois anos, o então vereador Ulisses Felinto criticou a saúde do município e indagou para onde estava indo R$ 100.000.000,00 que a Prefeitura de Timbaúba tinha recebido de 2009 a 2015.
Ele também sugeriu encerrar o vinculo que a prefeitura tinha com o Hospital Tricentenário, pois assim iria sobrar mais de R$ 6.000.000,00 por ano para comprar remédios, contratar médicos e com esse dinheiro daria para reativar a maternidade do município. Depois que assumiu em janeiro de 2017, a atual gestão não encerrou o vínculo com o Tricentenário e renovou o contrato com a unidade hospitalar.

Assista a entrevista do dia 29 de fevereiro de 2016 concedida a Rádio Comunitária de Timbaúba

 

CONFIRA ABAIXO OS REPASSES DO FNS 

 

Por Reginaldo A. Silva - Jornalista, DRT/PE 6589

Comentários

Outras notícias