Black Friday Ubannet

08/03/2019 às 09h06m

Homem mata esposa com facadas na cabeça e liga para a polícia para forjar latrocínio

Corpo da vítima foi encontrado pelo filho dela nesta quinta (7), no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife. Homem confessou o crime e foi preso, segundo a Polícia Civil.

feminicidio-_morta_a_facadas

Um homem de 56 anos matou a esposa com facadas na cabeça no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, nesta quinta-feira (7). Segundo a Polícia Civil, Pedro Luiz da Silva ligou para a corporação dizendo que bandidos tinham invadido a residência para matar o casal e deu uma facada em si mesmo para tentar forjar um latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

De acordo com a delegada Natasha Dolci, responsável pelas investigações, o caso chegou à polícia como um duplo homicídio, mas constatou-se, posteriormente, que se tratava de um feminicídio. A vítima foi Edna de Oliveira Sobral, de 68 anos.

"Ele ligou para a polícia tentando forjar um latrocínio. Disse que tinham invadido a casa dele e iam matar ele e a esposa. Quando chegamos, encontramos a mulher morta e ele próximo, no chão. Estava dormindo, com a faca na mão", diz a delegada.

A princípio, o homem sustentava a versão de latrocínio, mas, depois, confessou o crime à polícia, dizendo que matou a esposa por ciúmes.

"Ele diz que a mulher o feriu na barriga, mas isso é difícil de provar. A perícia comprova que os ferimentos da esposa foram causados pela faca que estava com ele", afirma Natasha Dolci.

Ainda segundo a polícia, o corpo da vítima foi encontrado por um filho de Edna, que arrombou a porta de casa junto com um amigo.

Pedro Luiz da Silva foi levado para um hospital no município, mas teve alta ainda nesta quinta-feira (7). Ele foi preso na delegacia da cidade e passa por audiência de custódia na sexta-feira (8), quando a Justiça define se ele continua detido ou responde ao processo em liberdade.

Nota

Por meio de nota, o Centro das Mulheres do Cabo (CMC) expressou tristeza sobre esse assassinato e prestou solidariedade aos familiares da vítima. Ainda no texto, manifestou "indignação por ver a vida de mais uma mulher, sendo ceifada pelo crime de feminicídio".

Também no documento, o CMC lembrou que "diariamente milhares de mulheres são violentadas pela cultura do machismo, principalmente pelos maridos e ex-companheiros, dentro da sua própria casa".

Do G1 PE

Comentários

Outras notícias