Black Friday Ubannet

02/03/2017 às 08h58m - Atualizado em 02/03/2017 às 09h53m

No carnaval, mesmo com poucos recursos a prioridade tem que ser as atrações de Timbaúba

Para a maioria dos foliões, a exclusão das orquestras, bandas e artistas timbaubenses na Folia de Momo, foi um erro grave a ser corrigido no próximo ano.

O carnaval de Timbaúba 2017 foi marcado por muitas reclamações e lamentações de carnavalescos e músicos. O baixo valor que foi determinado pelo Ministério Público de Pernambuco para prefeitura investir na Folia de Momo deste ano fez com que muitos blocos, troças e bois não recebessem o apoio. Os foliões também reclamaram bastante sobre a fragilidade do trânsito com paredões de som, motocicletas e outros veículos trafegando pelo foco da folia.

O que deixou a população mais revoltada nesse carnaval foi a não inclusão de duas orquestras tradicionais e quase centenárias de Timbaúba, a 1º de novembro e a Euterpina. A décadas que essas instituições abrilhantavam o carnaval de Timbaúba. A comoção na cidade foi tão grande que os músicos se solidarizam, além de várias pessoas e até políticos aderiram uma campanha #SouMúsicoTimbaubense. Um erro que deve ser corrigido no próximo ano porque com todas as conquistas e histórias dessas duas orquestras tem que ser prestigiadas da forma que merece.

Os componentes das duas orquestras mostraram que são fortes e não ficaram calados mediante a situação e foram as ruas em plena segunda-feira de carnaval. “Fomos tratados de forma grosseira pelo responsável em contratar as bandas, falaram conosco de forma ríspida, não levaram sequer em consideração a tradição das nossas orquestras em relação ao carnaval da nossa cidade, por isso, saímos em protesto para mostrar toda nossa indignação, espero que no próximo ano, o prefeito se sensibilize e coloque pessoas mais bem preparadas para ficar à frente desta secretaria”, disse um músico de Timbaúba.

Mediante do recurso limitado para organizar o evento, os moradores da zona rural ficaram ‘órfãos’ de curtir a folia. Este ano não receberam nenhum evento. Os moradores dos distritos e povoados se divertiram como puderam, com as famílias e amigos. Pensando no retorno a grande maioria preferiu passar o carnaval em casa por conta da violência.

Vários organizadores de blocos e troças carnavalescas não tiveram a oportunidade de levar a alegria para avenida. O carnaval é um dos poucos momentos que a sociedade esquece os problemas (muitos deles causados pela falta de comprometimento dos próprios políticos) e procuram extravasar de alegria.

Várias denúncias chegaram em nossa redação, reclamações relativas a falta de apoio e comprometimento foi o que não faltou neste período de Momo. Um dos responsáveis do bloco de moradores do bairro Cesar Augusto relatou o seguinte ao Timbaúba Agora: “A Secretaria de Eventos nos entregamos um oficio no dia 6 de janeiro de 2017, e um membro da equipe da prefeitura assinou e se comprometeu a mandar uma orquestra para os blocos tradicionais como o nosso que já existe há mais de 20 anos. E em cima da hora a prefeitura não mandou nenhuma orquestra para os blocos tradicionais prejudicando assim todo o bairro”.

Através das Redes Sociais, o presidente do bloco Vaca Atolada, Rinaldo da Mangueira, reclamou bastante da falta de apoio ao seu bloco, que é um dos mais que leva multidão a avenida. “Venho agradecer a solidariedade de centenas de pessoas que ficaram indignadas com a forma que fomos tratados pela equipe de cultura do nosso município. Tentaram tumultuar a saída da Vaca Atolada. Obrigado a todos pela resposta que foi dada com uma multidão, alegria, paz, segurança, tranquilidade e muito frevo...”

O MPPE determinou que a prefeitura disponibilizasse no mínimo 68 banheiros públicos. E foi público e notório que não tinha nem perto da quantidade estabelecida, o que gerou reclamação dos foliões na hora de suas necessidades fisiológicas.

O que se viu foi que na maioria dos shows, principalmente no Polo Multicultural, a pequena presença de público. Com certeza, os cantores e bandas da terra levariam uma quantidade maior de pessoas aos shows, como já vinha acontecendo há quase 30 anos.

Essas foram as obrigações da Prefeitura de Timbaúba determinadas pelo MPPE, neste carnaval.

  • Desligamento e encerramento por parte da prefeitura de todo tipo de aparelho que emita som, no palco principal e no paco auxiliar até as 23h30;
  • Não autorizar o desfile de qualquer bloco ou agremiação de 0h até as 8 horas da manhã;
  • Vendedores ambulantes, carroças de churrasquinhos só podem comercializar nos locais previamente fixados pela organização do evento;
  • Disponibilizar no mínimo 68 banheiros públicos móveis;
  • Ativar o Conselho Tutelar para manter o plantão durante todo o carnaval;
  • Durante o evento bebidas tem que ser comercializadas em copos descartáveis e não em vasilhames de vidros;
  • Providenciar a limpeza urbana após a realização de cada evento, inclusive recolhendo o lixo dos cestos;
  • Garantir a presença de uma ambulância para prestar primeiros socorros e a remoção de acidentados;
  • Limitar o uso de equipamentos de som: carro de som, trio elétrico e paredão da 0h00 as 8 horas da manhã;

O Promotor de Justiça Dr. João Elias informou ainda que seria aplicado uma multa de R$ 5.000,00 por cada item descumprido. Valor esse que será revertido ao Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente.

Por: Equipe do site Timbaúba Agora

Comentários

Outras notícias