Black Friday Ubannet

23/02/2019 às 09h50m - Atualizado em 23/02/2019 às 09h52m

Sargento da reserva da PM é preso em flagrante por participar de esquema ilícito de venda de combustíveis na Zona da Mata

Outras cinco pessoas foram presas em estrada próximo à PE-45. Bombonas de 20 litros custavam R$ 50 para caminhoneiros e R$ 70 para o consumidor final.

combustivel-esquema

Um sargento da reserva da Polícia Militar foi preso em flagrante pela Polícia Civil durante a compra de combustível de origem ilícita em uma estrada vicinal na zona rural de Escada, na Zona da Mata de Pernambuco. Outras cinco pessoas foram presas pelo esquema ilícito, que comercializava gasolina antes de o combustível chegar aos postos.

Segundo o delegado Edmilson Batista, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas, o ponto onde ocorreu a prisão, próximo à rodovia PE-45, era conhecido pelo comércio ilegal de combustível. “Se fizermos um cálculo levando em conta a rodovia, cerca de 70% dos caminhões que trafegam por lá paravam nesse trecho”, diz.

Segundo informações divulgadas pela Polícia Civil nesta sexta (22), o esquema consistia na retirada de combustível dos veículos para o comércio feito por meio de bombonas de 20 litros, que custavam R$ 50 para caminhoneiros e R$ 70 para o consumidor final.

“Em alguns casos, o volume [do caminhão] era complementado com água, o que gerava um prejuízo para o consumidor final”, afirma Batista. Além do sargento reformado, dois motoristas de caminhão e três pessoas que trabalhavam em um posto de combustível foram presas na terça (19).

Eles vão responder por crime contra a ordem tributária, receptação tentada e apropriação indébita majorada. “É possível que outras pessoas estejam envolvidas no esquema, por isso vamos dar andamento a essas investigações”, pontua o delegado.

Por meio de nota, a Polícia Militar informa que “não admite nenhuma atitude fora da legalidade praticada por seus membros e o militar envolvido na ocorrência, mesmo sendo da Reserva Remunerada, irá responder a procedimentos internos administrativos”.

A corporação comunica, ainda, que caso seja comprovada a participação no crime, ele “receberá punição de acordo com a gravidade de sua autuação, que pode culminar com a expulsão definitiva da PM”.

Do G1 PE

Comentários

Outras notícias