Black Friday Ubannet

23/02/2016 às 08h50m - Atualizado em 23/02/2016 às 08h54m

Polícia divulga retrato falado de homem que teria matado criança em festa de escola, em Petrolina

Quem tiver informações pode ligar para o Disque-Denúncia, por meio do número 3421.9595

A Polícia Civil divulgou, na manhã desta segunda-feira (22), o retrato falado do homem que teria assassinado, com mais de 40 golpes de faca, a estudante Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, durante uma festa no ginásio da escola ?Nossa Senhora Maria Auxiliadora, ?em Petrolina, no Sertão. O crime, que chocou o Estado, aconteceu no dia 10 de dezembro.

Segundo o delegado Marceone Ferreira, da Delegacia de Petrolina, a imagem foi confeccionada pelo Instituto de Criminalística do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa, com a ajuda de três testemunhas, sendo uma delas a mãe da vítima, Lúcia Mota. Para a investigação, o homem é moreno, tem entre 1,65 e 1,70 metro e cerca de 70 quilos.

"Tanto a mãe de Beatriz quanto as outras duas testemunhas que prestaram depoimento viram o homem em atitude suspeita. As pessoas chegaram a ver o suspeito dentro do banheiro feminino e, inclusive, saindo do local - um depósito de materiais esportivos - onde Beatriz foi encontrada morta", comentou o delegado Marceone. De acordo com a polícia, as três pessoas, que apontaram a feição do criminoso, não o conheciam.

O delegado informou que a dificuldade da polícia em elucidar o crime é o fato da grande circulação de convidados no dia da festa. "Mais de duas mil pessoas estavam no evento. É um crime de difícil elucidação e, por conta disso, nenhuma linha de investigação pode ser descartada. O que temos de certo é que ele é o executor ou teve alguma participação indireta no caso", revelou o delegado, que não recusa a participação de outras pessoas no crime.

Ainda segundo o delegado, o ginásio não possuía imagens de câmeras de segurança, mas o registro da festa, captado por um fotógrafo, além das câmeras das pessoas que estavam no evento, foram analisadas. Com a divulgação do retrato falado, o chefe da Polícia Civil, Antônio Barros, acredita que o crime será elucidado em breve.

"Desde o início, o caso da garota Beatriz é prioridade na Polícia Civil e é considerado o número um. Não tenho dúvida que, com a divulgação, vamos chegar ao resultado positivo", revelou o delegado Antônio Barros, que garantiu que os detalhes da investigação não podem ser repassados, por questão de estratégia. Quem tiver informações que leve a polícia até o suspeito pode ligar para o Disque-Denúncia, pelo telefone 3421.9595.

Entenda
Beatriz foi assassinada com mais de 40 golpes de faca durante evento no ginásio da escola Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. O corpo da menina foi encontrado, no dia 10 de dezembro de 2015, em um depósito de materiais esportivos. O pai de Beatriz, Sandro Romildo, é professor de inglês na instituição.

Comentários

Outras notícias