Black Friday Ubannet

06/02/2018 às 09h08m - Atualizado em 06/02/2018 às 10h27m

Ministério Público de Pernambuco investiga municípios que fecharam maternidades e cobra reabertura e aumento de horário de atendimento

A investigação está sendo realizada e o Ministério Público de Pernambuco espera receber os documentos destes municípios, e a partir disso, os gestores podem ser penalizados.

grvida

A Rede Globo Nordeste exibiu matérias sobre diversos municípios que fecharam as suas maternidades ou reduziram o atendimento de gestantes. Isso vem resultando em superlotação das maternidades do Recife. As unidades de saúde que deveriam atender apenas casos de alto risco acabam recebendo a demanda de outras cidades.

Leia também: Prefeitura de Timbaúba diz em nota que convênio com Hospital Ferreira Lima se encerrou nesta terça (2)

O Ministério Público de Pernambuco já tem um núcleo que está coordenando esta discussão entre estes municípios que fecharam as maternidades. O coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção à Saúde Pública (Caop Saúde), promotor de Justiça Édipo Soares, é quem está coordenando a discussão com esses municípios. Os municípios terão que reabrir essas maternidades e ampliar o horário de atendimento. Essa investigação está sendo realizada e o MPPE espera receber os documentos destes municípios, a partir disso, os gestores podem ser penalizados pelo motivo das maternidades terem sido fechadas.

"O Ministério público investiga em diversos inquéritos civis a atenção pré-natal, obstétricas, e neonatal prestadas nas maternidades municipais e estaduais  situadas em Recife e nos outros municípios também. E foi constatado nos inquéritos que tramitam na Promotoria de Saúde, uma superlotação nessas unidades situadas em Recife. Isso decorre do elevado número de gestantes dos demais municípios, tanto da Região Metropolitana do Recife quanto do interior. Porque muitas maternidades foram fechadas e outras estão com funcionamento do horário reduzido. Então, estas gestantes são encaminhadas para as unidades de saúde situadas em Recife, ocasionando essa superlotação e o grave prejuízo na atenção a gestantes e os bebês", disse Helena Capela, Promotora de Justiça de Saúde do Recife, a Rede Globo.

Assista a entrevista de Helena Capela, Promotora de Justiça de Saúde do Recife, a Rede Globo

Comentários

Outras notícias