Black Friday Ubannet

05/02/2016 às 08h15m - Atualizado em 05/02/2016 às 08h19m

Policiais civis de Pernambuco desistem de iniciar greve no carnaval

Governo do estado se comprometeu a alterar Plano de Cargos e Carreira. Tribunal de Justiça tinha decretado ilegalidade da mobilização.

Policiais civis realizaram assembleia nesta quinta-feira (4)

Após decretar greve, que seria iniciada no Sábado de Zé Pereira, o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) desistem da paralisação, em assembleia realizada nesta quinta-feira (4) na sede do sindicato, no bairro de Santo Amaro, centro do Recife. A Justiça já tinha decretado ilegalidade da paralisação.

A decisão foi tomada depois que o governo do estado se comprometeu a enviar à Assembleia Legislativa de Pernambuco, no próximo dia 15 de fevereiro, um projeto de lei que altera o Plano de Cargos e Carreira da Polícia Civil, como deseja a categoria.

Em nota, o Sinpol informou que, caso o governo não cumpra o que foi acordado, os policiais vão realizar uma nova assembleia para discutir se deflagram uma greve. A categoria quer aumentar de 1,5% para 2% o percentual de reajuste concedido ao profissional à medida que ele cresce dentro da corporação.

Antes de a greve ser suspensa, o desembargador Ricardo Paes Barreto, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) atendeu a um recurso do governo do estado e concedeu uma liminar em que considerava a mobilização ilegal. Pela decisão, caso a categoria decidisse pela greve, o sindicato teria que pagar uma multa de R$ 100 mil por dia de paralisação.

Na decisão, o magistrado ressaltou o direito da população de ter segurança. "Em decorrência direta do movimento grevista, verifico que a permanência por tempo indeterminado da paralisação anunciada certamente conduzirá ao caos social, dada a natureza e a essencialidade da atividade policial", declarou.
O presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, disse que a suspensão da greve foi uma decisão tomada para não prejudicar a população. "O que levou importância para que isso (a suspensão) acontecesse foi um clamor do povo pernambucano, que estava inseguro para brincar o carnaval. A categoria levou isso em consideração", afirmou.


As informações são do G1PE
Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press

Comentários

Outras notícias