Black Friday Ubannet

02/02/2015 às 15h57m - Atualizado em 02/02/2015 às 16h02m

Domingo de tumulto no Complexo do Curado deixa saldo de um morto e oito feridos

Dia tinha até começado tranquilo, mas à tarde houve confusão e detentos feridos. Saldo do final de semana, contando o sábado, é ainda pior: dois mortos e 12 feridos

Um tumulto ocorrido no Complexo Prisional do Curado (antigo Aníbal Bruno), na Zona Oeste do Recife, neste domingo (1º), deixou um detento morto e oito feridos, segundo a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres). O detento Paulo da Silva Tavares, 38 anos , foi encaminhado em estado grave para o Hospital Otávio de Freitas ainda na noite do domingo (1º), mas morreu na unidade de saúde após passar por cirurgia. A Seres informou ainda que o boletim médico dos outros feridos será divulgado às 8h30. A segunda-feira amanheceu com aparente tranquilidade no Complexo. No total, o final de semana teve saldo de dois mortos e 12 feridos.

A confusão teve início no final da tarde após uma manhã tranquila de visitas de familiares. Ainda de acordo com a Seres, o caso foi registrado nos pavilhões I e P do Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (Pjallb), um dos três presídios que compõem o complexo. O Batalhão de Choque da Polícia Militar entrou no presídio para conter o tumulto, bem como o Batalhão de Guarda, a Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe), a Companhia Independente de Policiamento com Cães e o 12º BPM.

De acordo com o presidente interino do Sindicato dos Agentes Penitenciários, João Carvalho, os nove detentos feridos foram atingidos por golpes de faca. "Os presos fazem isso porque querem mais regalias. Temos informação de que estão querendo direito a pernoite. O Estado tem que manter a ordem, mas vai dando crédito e eles (os detentos) fazem o que querem", afirma.

Após a confusão, um grupo de aproximadamente 100 pessoas, a maioria mulheres, se reuniu em frente ao presídio para protestar por mais informações sobre a situação dentro das unidades. O Batalhão de Choque disparou balas de borracha para dispersar a multidão e deixar a passagem livre para os carros.

Durante a manhã do sábado, um princípio de tumulto teria sido motivado pelo atraso na entrada dos familiares dos presos para visita, que pode ser explicada pela operação padrão iniciada pelos agentes penitenciários. Quatro detentos ficaram feridos e foram encaminhados para o Hospital Otávio de Freitas; dois deles chegaram desacordados, em estado grave. Um detento, identificado como David Bezerra dos Santos, 20 anos, interno do Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (Pjallb), morreu ao dar entrada na unidade de saúde.

Em nota divulgada nesse domingo, a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) informou que o tumulto foi controlado.
A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) informa que foi controlado no fim da tarde deste domingo (01), um tumulto envolvendo detentos dos Pavilhões I e P, após a saída das visitas do Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (PJALLB), que integra o Complexo Prisional do Curado. Para garantir o controle da unidade, além dos agentes penitenciários e do Grupo de Operações de Segurança (GOS), da Seres, foram acionados policiais militares do Batalhão de Choque, Batalhão de Guarda, bem como a Companhia Independente de Operações Especiais (CIOE), a Companhia Independente de Policiamento com Cães e o 12º BPM.

Nove reeducandos ficaram feridos, sendo quatro atendidos com ferimentos leves na enfermaria da unidade prisional e um encaminhado em estado grave ao Hospital Otávio de Freitas, onde está sendo operado no momento. Os outros quatro feridos aguardam transferência para Unidades de Pronto Atendimento e hospitais do Recife. O próximo boletim com o estado de saúde dos feridos será encaminhado às 8h30 desta segunda-feira (2).

CRISE - Uma rebelião foi deflagrada na véspera de Natal e foi descoberto um túnel que serviria para a fuga dos detentos. Já nos primeiros dias de janeiro, o então secretário de Ressocialização, Humberto Inojosa, renunciou após quatro meses e uma semana no cargo. Em seu lugar, assumiu o coronel da PM, Eden Vespaziano. Na ocasião da posse, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, anunciou um pacote de medidas para melhorar a situação dos presídios de Pernambuco. A maior promessa foi acabar com a circulação de armas brancas e celulares nas unidades prisionais. No último dia 7, o Batalhão de Choque fez uma varredura nas três unidades do complexo e encontrou cerca de 40 armas e celulares.

O cenário de tensão vivenciado na semana passada com a rebelião que durou três dias no Complexo do Curado levou o governo do Estado a decretar estado de emergência no sistema penitenciário. O governador Paulo Câmara assinou, na quarta-feira, decreto com medidas que incluem a intervenção no Centro Integrado de Ressocialização de Itaquitinga, que está com obras paradas e deve desafogar as penitenciárias do Grande Recife. O estado de emergência tem prazo de 180 dias, período em que atuará a Força Tarefa.

O decreto cria uma força-tarefa que envolve nove secretarias: Justiça e Direitos Humanos, Casa Civil, Fazenda, Planejamento e Gestão, Desenvolvimento Social, Controladoria Geral, Administração, Gabinete de Projetos Estratégicos e Procuradoria Geral do Estado.

O sistema prisional do Estado é proporcionalmente o mais superlotado do Brasil, com déficit de agentes penitenciários e policiais militares para a segurança e monitoramento. Existem hoje cerca de 31 mil detentos onde caberiam 10 mil.


Com informações do Jornal do Comércio

Comentários

Outras notícias