26/01/2016 às 11h17m - Atualizado em 26/01/2016 às 11h32m

Família procura por paradeiro de jovem desaparecida desde a última sexta-feira

Garota foi vista na última vez em Olinda. A polícia investiga as denúncias e ainda não descartou a hipótese de sequestro.

Garota foi vista na última vez em Olinda, diz testemunhas

A família da doméstica Karina Francisca Santos da Silva, 26 anos, desaparecida desde a manhã da última sexta-feira (22), está em busca de informações sobre o paradeiro da jovem. Ela saiu para trabalhar e não voltou mais para casa. Segundo testemunhas, Karina foi vista, nesta segunda (25), com uma mulher de cabelos loiros no bairro de Caixa D’água, em Olinda. Mas, de acordo com parentes, a falta de notícias precisas sobre o desaparecimento tem deixado a família ainda mais angustiada. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). A polícia investiga as denúncias e ainda não descartou a hipótese de sequestro.

“Por volta das 8h40, ela saiu de casa para ir ao trabalho. Nesse deslocamento, não chegou ao destino final”, afirmou o delegado Mauro Cabral. Segundo ele, Karina não manteve mais contato com a família e houve alteração no padrão de comportamento. “O que me foi repassado é que ela sempre mantinha a família informada do que fazia. Até agora, não entrou em contato e está incomunicável”, declarou Cabral, acrescentando que já foram iniciadas as diligências de rua, além de ouvidas em sede de cartório. “Com base na coleta de dados, levantamos algumas informações e estamos com uma equipe na rua para buscar alguns elementos. Prefiro preservar o que conseguimos construir para não atrapalhar as investigações”, destacou o delegado.

Ele ainda ressaltou que foram solicitadas as gravações de câmeras do local para verificar o que aconteceu durante o trajeto da jovem. O irmão de Karina, o fiscal de supermercado Gilberto Francisco, 33 anos, confirmou que a irmã tinha o costume de informar à família todos os passos. “Sempre se comunicava com a gente”, contou. A última conversa ao telefone foi com a mãe, que não quis dar entrevista. Gilberto comentou que, por volta das 7h30, Karina disse que estava tomando café para ir ao trabalho. “Minha mãe está muito nervosa, não consegue falar direito sobre o assunto. Mas nos contou que conversou com Karina logo cedo e não desconfiou de nada. Estava com a voz normal e bem feliz”, disse o irmão da jovem.

Irmãos de Karina disseram que jovem sempre teve costume de informar à família todos os passos

Karina mora há três meses com a padeira Maria Luíza Santiago, 23 anos. Ela disse que a jovem, apesar de estar com alguns problemas no trabalho, estava feliz. “Ela é sempre a última a sair de casa para trabalhar. Sou a primeira. Então, não cheguei a encontrá-la na sexta”, detalhou Luíza. O namorado de Karina, o técnico em Tecnologia da Informação Álvaro Cabral, 24 anos, estava na casa dela no dia do desaparecimento. “A gente se falou normal. Às 7h30 ela acordou, aprontou-se e foi trabalhar. Só fiquei sabendo 13h pela mãe o que tinha acontecido. Não consigo imaginar o que foi”, afirmou Álvaro.


As informações são da Folha de Pernambuco

Comentários

Outras notícias