Black Friday Ubannet

10/01/2019 às 15h54m - Atualizado em 10/01/2019 às 19h09m

Bando queima ônibus e instrumentos de banda de forró durante ataques no Ceará

Banda estava de passagem pela capital cearense para uma sequência de shows. Ceará registra uma sequência de ataques criminosos há 9 dias seguidos.

terror_no_ceara

Integrantes de uma banda de forró perderam todos os instrumentos musicais após o ônibus do grupo ser incendiado na madrugada de terça-feira (8) no Bairro Barroso, em Fortaleza, durante uma série de ações criminosas no Ceará. A banda "Fubá de Milho" estava de passagem pela capital cearense para uma sequência de shows, quando ocorreu o ataque contra uma oficina onde estava o ônibus. "Perdemos tudo", disse um dos integrantes.

Criminosos já realizaram 177 ataques contra veículos, delegacias, viadutos, prédios públicos e comércio em 43 dos 184 municípios cearenses desde o dia 2 de janeiro. As ações são decorrentes de uma represália à ação do governo de aumentar o rigor na fiscalização das unidades prisionais e acabar com a divisão dos presos por facções nos presídios. A Força Nacional reforça a segurança no estado. A polícia capturou 277 suspeitos por envolvimento nos crimes.

O ônibus da banda Fubá de Milho foi destruído durante o ataque a uma oficina mecânica. De acordo com a polícia, na terça-feira, cinco suspeitos invadiram o estabelecimento, renderam os vigilantes e incendiaram cinco veículos que estavam no local, incluído o do grupo musical.

O sócio e vocalista da banda, Gleiber Galvão, contou que todos os instrumentos musicais e equipamentos de iluminação e som estavam dentro do ônibus e ficaram destruídos. O veículo não tinha seguro.

"Encontrei o ônibus totalmente destruído. Todo um sonho, toda uma história, iluminação, instrumentais. Tudo! A gente estava fazendo a manutenção do carro para viajar para São Paulo, para cumprir 19 shows. Mas, infelizmente, aconteceu essa tragédia", lamentou.

Apesar do ocorrido, Galvão afirmou que os shows não serão cancelados. “A gente fica um pouco triste com essa situação. Mas vamos continuar com nossa agenda de show e vai dar tudo certo. Com muita fé em deus vamos dar a volta por cima”, acrescentou.

Onda de violência

O Ceará registra ações criminosas há nove dias seguidos. Na madrugada desta quinta-feira (10), homens queimaram um ônibus e 5 carros em uma oficina na cidade de Forquilha e explodiram uma bomba em um viaduto de Fortaleza e atacaram um centro de assistência social na capital.

O governador Camilo Santana (PT) informou que chefes de facções criminosas que estavam presos no Ceará foram transferidos para presídios federais. Santana também comunicou que 277 suspeitos foram capturados por envolvimento nos ataques.

Entenda o que está acontecendo no Ceará

  • O governo criou a secretaria de Administração Penitenciária e iniciou uma série de ações para combater o crime dentro dos presídios.
  • O novo secretário, Mauro Albuquerque, coordenou a apreensão de celulares, drogas e armas em celas. Também disse que não reconhecia facções e que o estado iria parar de dividir presos conforme a filiação a grupos criminosos.
  • Criminosos começaram a atacar ônibus e prédios públicos e privados. As ações começaram na Região Metropolitana e se espalharam pelo interior ao longo da semana.
  • O governo pediu apoio da Força Nacional. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de tropas; 406 agentes da Força Nacional reforçam a segurança no estado.
  • A população de Fortaleza e da Região Metropolitana sofre com interrupções frequentes no transporte público, com a falta de coleta de lixo e com o fechamento do comércio.
  • Onda de violência no Ceará afastou turistas e fez a ocupação hoteleira no estado cair de 85% para 65%.

Comentários

Outras notícias