10/01/2016 às 07h06m - Atualizado em 10/01/2016 às 07h09m

Perseguição policial na Avenida Caxangá envolvendo transporte irregular termina com grávida no hospital

De acordo com a polícia, o carro que estava com nove passageiros teria como destino final o município de Timbaúba.

Veículo realizada transporte irregular de passageiro

Quem passava pela Avenida Caxangá na manhã deste sábado (9), tomou um bom susto. É que uma viatura do Batalhão da Polícia Rodoviária de Pernambuco (BPRV) imprimiu uma perseguição a um veiculo do modelo Zafira, que realizava o transporte irregular de passageiros. Além da perseguição, ainda houve uma colisão, várias infrações e uma mulher grávida, que estava no automóvel, apresentou um sangramento devido ao estresse da situação.

Depois de alguns minutos de perseguição e muita adrenalina, com direito a leve colisão entre viatura e veiculo em fuga, finalmente o motorista da Zafira conseguiu ser contido, já na altura da cidade de Carpina. Segundo informações de agentes envolvidos na operação, o motorista irregular teria como destino final a cidade de Timbaúba.

Entre as infrações, divide-se entre as de trânsito e as comuns. O veículo, que comporta até sete pessoas, apresentava nove. O IPVA também não estava pago e várias outras taxas e irregularidades foram constatadas no automóvel. Além de burlar a lei que regula o trânsito, o motorista não obedeceu à sinalização de parada, pôs a vida dos passageiros em perigo, além de colidir com o carro da polícia. O condutor foi autuado em flagrante e levado para a delegacia de Nazaré da Mata. A mulher grávida que estava no veículo seguiu para um hospital nas proximidades e seu estado de saúde ainda não foi informado.

Segundo Loran Licari, chefe de fiscalização do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), esse tipo de caso, principalmente devido ao alto índice de desemprego enfrentado no Brasil, está aumentando. “Infelizmente as pessoas estão ficando sem empregos e com o pouco dinheiro que pegam ou nas rescisões ou que juntam durante um tempo está sendo destinado a esse fim: comprar um carro e fazer o transporte irregular. De maio para cá já diagnosticamos um aumento de 40 a 50% de incidência desse tipo de caso”, confirma.


Comentários

Outras notícias