10/01/2015 às 10h38m - Atualizado em 10/01/2015 às 10h45m

Mulher que sequestrou criança no Imip simulou gravidez por nove meses

Em depoimento, o marido da vítima disse acreditar que a esposa sofra de gravidez psicológica. Ele contou que a mulher tirava fotos da barriga e fez até enxoval para a criança.

A mulher apontada como responsável pela subtração de um bebê de um mês e 21 dias, na última quinta-feira (8), no pátio do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), permanece desaparecida após o pequeno Marinaldo Rodrigo ter sido devolvido para a mãe na tarde desta sexta (9). Daniele Galdino Correia de Albuquerque é moradora de Abreu e Lima e, segundo familiares, simulou gravidez durante nove meses. Até mesmo chá de bebê, a suspeita organizou.

De acordo com a polícia, após fugir com a criança, a mulher deu entrada no Hospital Tricentenário com sangramento. A criança ainda estava com a tornozeleira do Imip no pé durante o atendimento. Ela ligou para o marido dizendo que teria parido no hospital. Ele foi buscá-la, no entanto, os parentes estranharam o tamanho do bebê. Desconfiado, ele voltou ao Tricentenário e descobriu que não havia registro de parto em nome de Danielle Alves. Somente nesta sexta, ao ver pela televisão, acompanhado da sogra, uma reportagem falando sobre o caso, ele entendeu o que havia acontecido. De imediato, os familiares da suspeita foram ao Imip devolver a criança.

Em depoimento, o marido da vítima disse acreditar que a esposa sofra de gravidez psicológica. Ele contou que a mulher tirava fotos da barriga e fez até enxoval para a criança. Traumatizada com o ocorrido, a mãe biológica, Maria Simone de Araújo, de 32 anos, disse que não confiará mais o pequeno a ninguém. "Ela se apresentou como funcionária do hospital e eu acreditei. Estou muito feliz e agradecida por ter meu filho de novo nos braços", contou.


Do Diário de Pernambuco

Comentários

Outras notícias