Black Friday Ubannet

09/01/2014 às 02h27m - Atualizado em 09/01/2014 às 09h03m

São Vicente Férrer: Vereadores de oposição esclarecem com exclusividade polêmica sobre orçamento do município

O Site Timbaúba Agora ouviu com exclusividade o grupo de vereadores que compõe a bancada de oposição ao Governo Municipal de São Vicente Férrer

A vereadora Silvana Cavalcante do DEM, líder da oposição da Câmara Municipal de São Vicente Férrer, conversou com exclusividade com o Site Timbaúba Agora, e falou em nome dos outros vereadores da bancada de oposicionista que também se encontravam presentes no momento e estavam em reunião discutindo assuntos de interesse da população vicentina. Os cinco vereadores que fazem o grupo de oposição ao prefeito Flávio Regis, estão em número maior que a bancada governista. São eles: Silvana Cavalcante do DEM (que gentilmente nos cedeu esta entrevista), Fernando da Banana (PSD), Josivan (PSD), Paulo Severino de Araújo “Paulinho Chagas” (PSB) e Vicente Ferreira da Silva “Galego Cara Branca” (PSDB).

A bancada composta por cinco vereadores que fazem oposição ao prefeito Flávio Regis, está recebendo apoio jurídico dos advogados timbaubenses, Dr. Antônio Apolinário e do Dr. João Marcelo.

Começamos a entrevista perguntado qual o motivo dessa polêmica em torno da aprovação do orçamento de 2014, E porque foram convocadas sessões extraordinárias na Câmara Municipal de São Vicente Férrer?

A parlamentar vicentina Silvana Cavalcante começou respondendo: “O motivo da reunião extraordinária da Câmara Municipal de São Vicente Férrer na última terça-feira (7) onde os nove vereadores se reuniram a pedido do prefeito Flávio Regis foi para a apresentação de um projeto de créditos especial do executivo em virtude do orçamento de 2014 ter sido reprovado em dezembro de 2013”.

O prefeito Flavio Regis, solicitou um crédito especial para que pudesse dar andamento aos trabalhos do município, este projeto foi apresentado, e seguiu para a sua tramitação obrigatória nas Comissões de Justiça e Redação e Comissão de Finanças e Orçamentos, e nesta quarta feira (8) às 9 horas as comissões se reuniram para dá início a análise do pedido deste crédito especial enviado pelo executivo.

E foi verificado logo na LDO, (projeto que antecede a Lei Orçamentária), que os vereadores haviam aprovado um remanejamento no valor de 10%, e neste credito especial este valor veio alterado para 30%, e isso segundo a vereadora, foi um dos motivos para a bancada de oposição não aprovar esse valor de 50 milhões com 30% de remanejamento que pode ser feito sem a autorização da câmara.

Então foi apresentada uma emenda na comissão diminuindo o remanejamento para 10%, e uma segunda emenda diminuindo esta previsão de orçamento, onde o bloco de oposição estaria disposto a negociar, pois a cidade teve em 2013 um orçamento de 26 milhões e não pode no ano seguinte 2014 passar para 50 milhões, aí existe uma contradição fora de normal. Disse a líder da bancada oposicionista.

Perguntado pelo Timbaúba Agora porque eles não estavam presentes na reunião na noite da quarta-feira (8), ela respondeu: “O motivo dos vereadores de oposição não terem participado da reunião foi porque a segunda emenda onde se diminui esses valores ela é minuciosa, o orçamento é composto de cifras, e teria que diminuir esses valores uma por uma e não teríamos tempo hábil para isso, é humanamente impossível fazer isso em 24 horas. Um vereador membro da comissão solicitou um prazo maior, que é regimental, pois o regimento diz que os vereadores têm oito dias para analisar os projetos para apresentar as emendas, o prazo foi solicitado para que possa ser apresentada a emenda para diminuir o valor do orçamento sem prejudicar o município”.

Explicou a líder da oposição: “Quando a oposição tomou esta decisão foi pensando no bem da cidade, pois os vereadores precisam cumprir o papel de fiscalizador do executivo e estamos dispostos a irmos até as últimas consequências dentro da lei, pois esse remanejamento de 30% é exorbitante, e não existe bom senso por parte do prefeito para que isso seja resolvido. Segundo disse a vereadora, o legislativo em São Vicente Férrer é só pra obedecer ao executivo, pois estamos amparados pela Constituição Federal, que prever que o orçamento ser derrubado e a saída pra isso é um crédito especial, que seja previamente aprovado pela Câmara Municipal de cada município, e por parte do prefeito e seu grupo de apoio não estão querendo permitir este direito ao legislativo, estão usando de má fé, e colocando a população contra a oposição, pois este caos é absurdo e desnecessário”.

A vereadora afirmou: “A oposição independente do resultado tem a consciência que fez o certo e necessário, o que está acontecendo hoje em são Vicente é um total desrespeito aos vereadores, pois lá tem hoje quatro carros de som, um telão, e estão convocando a comunidade para se posicionarem contra os vereadores de oposição”.

Continuou: “Estamos querendo fazer valer apenas os direitos legislativos, pois se um cidadão vicentino chegar ao vereador e perguntar como o prefeito gastou 50 milhões, os parlamentares não saberão responder, pois o prefeito sonega informações. É uma luta justa e necessária, porém não é fácil, mas não existe vitória sem uma grande batalha e disse que a oposição está disposta a chegar ao extremo, ou seja, ao judiciário, e qualquer que seja a decisão da justiça ou da própria Casa Legislativa, a oposição vai aceitar, pois tem a consciência tranquila que fez o que precisava ser feita”. Finalizou a parlamentar.

Perguntado a vereadora Silvana Cavalcante quanto ao ex-prefeito de Timbaúba Marinaldo Rosendo que foi citado ironicamente pelo chefe do executivo vicentino, logo após a reunião na Câmara Municipal na terça-feira (7), ela respondeu: “O prefeito Flávio Regis estava em cima de um trio contratado e pago pela prefeitura com um microfone na mão para induzir a violência”.

Seguiu dizendo a vereadora: “Desacatando pessoas que não estavam interferindo em nada como é o caso do ex-prefeito de Timbaúba Marinaldo Rosendo, a quem o chefe do executivo de São Vicente Férrer, o chamou de poderoso que comprava tudo só não comprou a igreja católica em Timbaúba, neste seu pronunciamento que atinge pessoas idôneas e de caráter coisa que o prefeito de São Vicente Férrer não tem, pois só sabe destruir e jogar as pessoas contra as outras, pois construção e desenvolvimento não existem no vocabulário dele agressão verbal sim, fazer um pronunciamento desse depois de uma reunião importante, por aí as pessoas já podem ter uma ideia, dá pra ver que esse comportamento só leva a destruição. Esse comportando já é uma justificativa para nossa decisão de votar contra esse orçamento”.

Continuou a vereadora: “Deixando claro que queremos que o município trabalhe com o suficiente necessário sem as ditaduras impostas pelo prefeito, o ato de paralisação da cidade foi uma vontade própria dele, pois existem alternativas, parou a cidade pelo pretexto de falta de dinheiro, porém estão sendo gastos fortunas com carros de som rua acima rua abaixo todos os dias estas despesas poderia ser evitadas e deixar o município funcionado e não desperdiçando verbas em uma hora dessas. Uma alternativa para não parar a cidade seria usar o orçamento do ano passado, pois existem outras saídas e mesmo assim não prejudicará os serviços prioritários e nem pagamentos, pois antes da data dos funcionários receberem esta situação estará resolvida”.

A líder da bancada oposicionista continuou comentando: “O prefeito em entrevista na rádio da cidade disse que os aposentados e beneficiários da cidade seriam prejudicados, pois não iriam receber, e convocou equivocadamente os cadastrados no Programa Bolsa Família do Governo Federal, dizendo que não iriam receber seus proventos porque a prefeitura não tinha orçamento, mentindo, pois esse dinheiro vem do governo federal recebe em Casas Lotéricas e não tem nada haver com a prefeitura, estamos à disposição da população de São Vicente e contamos com a justiça, pois creditamos nela. Finalizou a parlamentar da cidade de São Vicente Ferrer”. Finalizou.

Veja a vereadora Silvana Cavalcante comentando as citações ironicas feitas pelo chefe do executivo vicentino ao ex-prefeito de Timbaúba, e pré candidadto a Deputado Federal Marinaldo Rosendo, logo após a reunião na Câmara Municipal na terça-feira (7).


Explicou a vereadora oposicionista, Uma das alternativas para o senhor prefeito não pará a cidade seria usar o orçamento do ano passado, pois existem outras saídas e mesmo assim (esta decisão da oposição) não prejudicará os serviços prioritários e nem pagamentos de funcionários.

Comentários

Outras notícias